Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

A Igreja das Olaias e o Convento de Santos-o-Novo

Tal como o Filipe Almeida e o Filipe Pinto (pelo menos os que publicaram aqui no blog) já comecei a desenhar alguns dos pontos principais para o livro de percursos de Lisboa Oriental que está a ser organizado.

Comecei pela igreja das Olaias (que fiz de dois pontos de vista) e pelo Convento de Santos-o-Novo (é curioso ver as diferentes abordagens, a minha, e dos Filipes. Tentei fazer um segundo desenho junto à porta de entrada mas sem êxito por falta de tempo).

Atenção à lista dos locais importantes onde foram acrescentados mais 3 pontos.




A bela Sicília e a "praga" dos Chapéus


Também na Sicília se sentem os efeitos da época alta nas praias, com a invasão dos chapéus de sol  sem deixar espaço para respirar.

Acabada de chegar de férias e aproveitando o desafio dos Chapéus, acrescentei umas pinceladas a este meu sketch da viagem que fiz a esta ilha cheia de riqueza histórica, arquitectónica e paisagística...e toca a publicar!

Estação de Santa Apolónia


Primeiro sentei-me lá dentro, num banco de pedra encostado à parede. Estava um pouco receoso porque há alguns anos estava a tirar fotografias dentro da estação quando fui interpelado por um segurança, que me disse que só podia fotografar ou desenhar com autorização. Por isso estava sempre a levantar a cabeça à procura de seguranças à vista que pudessem estar a olhar para mim.

Depois fui para o exterior, onde desenhei sossegado na sombra do túnel do Lux, sem seguranças à vista.


Centro Cultural de Cascais e Casa das Histórias


Já andava há muito tempo a pensar que queria ir a Cascais deformar o Centro Cultural e a Casa das Histórias. Então, depois ter tido uma experiência diferente de urban sketching com guache, quando a Maru Godas esteve em Portugal, tive que ir a correr experimentar mais... Não é muito portátil... Isso é uma pena, porque gosto muito desta ideia de pintar em folhas coloridas e usar as cores opacas por cima umas das outras... E também de me sentir muito mais feliz do que quando tive que usar guaches nos tempos da escolinha.

Mais ALI



segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Concerto no museu de Santa Joana

Andava à algum tempo com vontade de experimentar canetas de pincel a cores para fazer os desenhos de concertos, esta foi a primeira experiência! O concerto foi no Museu de Aveiro, com Samuel Marques no clarinete e Dana Radu no Piano.

Parque Biologico de Gaia

Um dia a desenhar num encontro de improviso dos PoSk num dia de muito calor no Parque Biológico de Gaia


Praia da Ursa

Sempre que posso dou por lá um salto.
Não é só a praia. Todo o passeio é lindo.

Desenhando por Castelo Branco

Primeiro um sketch rápido numa esplanada na rua da Escola Superior de Educação. Mais tarde uma localização que prometia no anfiteatro do Museu Cargaleiro, mas não pensei bem na composição e portanto não consegui incluir o que queria. Ficou assim meio inacabado, sobreposto com outras "tralhas" que entretanto rabisquei.




Gulbenkian


Tronco de carvalho-alvarinho no meio do bambu

Já vi que há encontro agendado para 16 de Setembro na Gulbenkian e eu quero ir! Verdura é comigo. Até lá. :)

Gabriel



Obras em casa




Estou com obras em casa. Os quartos servem de depósito.
Resolvi fazer um sketch directamente com aguarela do pequeno móvel que está a dormir no meu quarto até que o seu poiso habitual esteja pronto - a despensa. As caixas de folha que estão por cima nada têm a ver com o móvel, há que fazer caber o máximo nos espaços disponíveis. São caixas que vivem no meu escritório e que eram dos meus avós paternos.

Salamanca, la Ciudad Dorada

 Sentado à sombra da Catedral, numa espera  pelo "tren" turístico. 
Pensei que não teria tempo para terminar o desenho...mas arrisquei começá-lo. 
O comboio lá chegou para contentamento dos meninos. 
Eu lá concluí o meu desenho, perante um olhar algo curioso dos convidados de um casamento, que, vestidos para a cerimónia, arfavam  a meu lado; defendiam-se da investida do sol, impiedoso a esta hora, mas que há-de beijar a cidade, ao fim da tarde, de uma maneira que nos permita entender o epíteto de Cidade Dourada.
E um registo que arrisquei já de noite, numa esplanada em Cidade Rodrigo, já embalado pelo tinto de verano, que é uma espécie lá deles.

NA TAPADA DA AJUDA_OUTRAS ÁRVORES_II

21ago17
Conforme já publicado em 13AGO17,neste blogue, comecei um projeto relacionado com imagens de vegetais  da Tapada de Ajuda,

Hoje prossigo com novos registos de variedades de mais espécies de árvores  (de portealto) do mesmo local florestal. São espécies importados de outros países que vale a pena ver, apreciar, por várias razões entre as quais o porte, a beleza e demais características. Em cada imagem Indico a proveniência das plantas.

Fig 1. Da ÁFRICA DO SUL

Fig 2. Da REGIÃO MEDITERRÂNICA


Fig.3  Da CHINA; TAIWAN e JAPÃO

                                                      Fig 4. Do MÉXICO; CHILE, BRASIL
Fig 5, Do SUL DA EUROPA, NORTE DE ÁFRICA

domingo, 20 de agosto de 2017

Gente a gosto em Agosto

Tenho andado um pouco ausente do blog mas não dos cadernos. Aqui ficam alguns sketches de gente que desenhei este mês. Por preguiça não adicionei côr (e também porque por vezes gosto deste ar mais cru das gentes "cozidas" apenas com linha").






Entre pontes


Olhando para o Porto a partir de Gaia, entre duas gerações de pontes ferroviárias.

2 Set - Vamos rabiscar nas Caldas da Rainha - Parque D. Carlos I?



No dia 2 de Setembro (sábado) de 2017, entre as 10h e as 13h, vou desenhar no Parque D. Carlos I, nas Caldas da Rainha. Quem quiser vir, junte-se! Estarei a rabiscar pelas 10h na esplanada do bar-restaurante Raízes (mapa em baixo).

Há um lago com patos, gansos e os magníficos Cisnes Canadianos (são estas aves ali no desenho em cima e acho que ainda existem...) e  edíficios muito interessantes, como o Pavilhão das Caldas da Rainha, ao abandono. Quem quiser pode dar um passeio de barco no lago e visitar o Museu José Malhoa. Motivos não faltam, a começar pelas árvores, claro!

Mais um desenho e algumas fotos  ALI e colecção de fotos no google ACOLÁ.

Venham e convidem os amigos!

INSCRIÇÕES para Rita Caré - rita.s.care@gmail.com - é só para ter uma noção de quem vai!

Localização do bar-restaurante Raízes, Parque D. Carlos I, Caldas da Rainha



Campo Grande


´
Feito ontem de manhã no Campo Grande.

Na Trafaria

A Paula Cabral mostrou interesse em ir desenhar à Trafaria. 
Facilmente se juntou um grupo, porque desenhar em conjunto é outra coisa...





Escadas dos Guindais


sábado, 19 de agosto de 2017

Desenhar em tempo de férias



Nestas férias, o caderno foi partilhado com o meu filho de 3 anos. Mas foi uma partilha desigual pois poucas folhas sobraram para mim. Para a próxima é um caderno para cada um!

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Chicago

Já a banhos mas ainda com as ruas de Cicago e o trem ruidoso de outro tempo que passa por cima das nossas cabeças.

Praia da Ursa


Mestres Baleeiros

Foi com grande encantamento que me deixei levar pelas histórias destes dois antigos baleeiros, num café da Calheta de Nesquim, na ilha do Pico: o Sr. Almerindo e o Sr Trindade.  
O desenho  foi-se construindo entre algumas imperiais,  devagar, a passo e passo,  a par  dum imaginário enriquecido pelas  recordações da baleação que foram surgindo, puxadas com muita arte pelo Sr. Furtado, emigrante nos Estados Unidos que  nos quis presentear com as histórias dos seus amigos baleeiros que já conhece de cór mas que gosta de exibir, com um brilho nos olhos. 
"Naquele tempo havia muita pobreza e a baleação era o único sustento das famílias. Agora é fácil falar- diz referindo-se aqueles que hoje criticam os antigos baleeiros -mas eram tempos muito duros..."
É difícil imaginar a árdua vida  de várias gerações que, só tendo o mar e as baleias, precisavam de  enfrentar  imponentes colossos, dentro dum pequeno bote no meio do oceano.



Orgulhosamente,  o  senhor Almerindo - que foi afinal um lindo homem, igual ao Gregory Peck! - levou-nos então à sua arrecadação onde, como num museu, guarda toda a  herança material do seu passado na faina baleeira: os instrumentos, os barcos, os prémios, e os artigos sobre ele escritos  em diversas publicações, desde o jornal regional ("Almerindo Lemos emigrou para os USA mas o seu coração está no Pico") ao National Geographic!  
A sua peça preferida é o tripé para a vigia das baleias e é ali sentado  que, depois de mimar o movimento corporal outrora tantas vezes feito, fica a contar   intermináveis e maravilhosas histórias dos longinquos tempos da sua juventude.
  Do desenho, gostou muito e, no dia seguinte, pediu-mo para o ir  mostrar aos amigos do café.



Se tiverem curiosidade em conhecer os personagens, podem vê-los AQUI





De Logroño a Salamanca

Nunca tinha ido a Logroño e só lá fui por causa do meu amigo Javier de Blas que vive lá. Mas, surpresa, é uma bela cidade, tranquila (como o Javier) e onde se vive muito bem. Javier e Charon (a mulher de Javier) passeiam a Frida (a cadela da família e, sim, vem de Frida Kahlo) num belo jardim selvagem perto do rio Ebro (primeiro desenho). Reunimo-nos num dos dias com um grupo de desenhadores locais e foi uma bela tarde (segundo desenho).

Rumei depois a Salamanca onde tive outra agradável surpresa: uma exposição de Miquel Barceló em cinco sítios diferentes. Barceló é só um dos meus pintores preferidos e tem uns diários de viagem maravilhosos. Em Salamanca havia duas galerias com trabalhos bidimensionais e três espaços com Arte Pública. Um deles, na Plaza Mayor, um elefante a fazer o pino (terceiro desenho). Fantástico!




Um palacete em ruínas




Um palacete em ruínas na Alameda das Linhas de Torres. Foi feito no fim de semana passado e como ia andar levava apenas um Moleskine de aguarela dos mais pequenos o que não era apropriado a este palacete. Fiz o que me foi possível e guardei o registo dum património que o nosso desleixo deixa ficar neste estado. Dói-me cá dentro a incúria dos responsáveis

Pimentos


quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Inauguração da Exposição Oeste Sketchers

Estão todos convidados!
No próximo Sábado, dia 19, pelas 14h30, inauguração da exposição Oeste Sketchers, no Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro.
Os registos expostos traduzem um ambiente muito próprio, foram feitos durante a recriação histórica da Batalha do Vimeiro, debaixo de "fogo" militar ou ao sabor das tentações do mercado oitocentista.

O turismo militar possui um potencial gigantesco na região Oeste de Portugal, o evento revelou-se muito interessante de sentir e registar, acho que conseguimos juntar o útil ao agradável, divulgar um património histórico, parte da identidade da região e é com muito gosto que com o apoio do município da Lourinhã podemos expor os olhares de cada sketcher participante à população local e visitante.

A organização dos Oeste Sketchers, Ana Ramos, Pedro Alves e Bruno Vieira, agradece a todos os que aceitaram o desafio de registar este evento e que gentilmente cederam desenhos e diários gráficos para exposição.
Agradecimentos também ao município da Lourinhã e à Ana Bento, coordenadora do CIBV, por toda a dedicação à recriação histórica e apoio nesta iniciativa.
Encontramo-nos lá!


Ordasqueira - Torres Vedras

Ordasqueira - Torres Vedras
 
Ontem foi dia de ir com a Tita ao veterinário.
Há muito que ando para desenhar este Lugar, logo aproveitei a oportunidade. Tenho de voltar. e continuar a descoberta do território rural do meu concelho.