Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

O Bairro da Floresta


O Bairro da Floresta começa junto ao matadouro e sobe pela encosta. As pessoas são mais fechadas a estranhos. Mas com o desenho a pouco e pouco vão ficando mais descontraídas.

6 comentários:

nelson paciencia disse...

Andas apuradíssimo!

André Duarte Baptista disse...

impressionante António. parabéns

Bruno Vieira disse...

As escadas parecem lençóis que se estendem, mesmo bom

Rosário disse...

Mesmo bom!

António Araújo disse...

Está excelente. Essa é a ideia a ter em mente com as perspectivas curvilíneas: podes modificá-las como quiseres para mostrar o que mais te interessa na cena.

Pedro Loureiro disse...

Estão do caneco! Mas o segundo está do canecão! Só o que interessa :)