Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Agenda dos Sketchers - Junho 2017

Editorial

O verão está aí à porta e os urban sketchers estrangeiros invadiram Portugal! Com a iniciativa Sketch Tour Portugal, o Turismo de Portugal convidou a Kasia, o Rob e o Eduardo (que partilhou a sua experiência num excelente artigo) a conhecerem Fátima na mesma altura que o Papa Francisco a visitou, e foram recebidos e orientados pela Fernanda Lamelas. O Museu Vieira da Silva continua a receber desenhadores latino-americanos de grande calibre, e foi a vez do Omar Jaramillo se dar a conhecer a Lisboa.
O programa 10 years 10 classes dos Urban Sketchers internacionais continua a todo o gás no Alentejo e arrancou em Lisboa na sede do Diário de Notícias, com uma aula do Mário Linhares sobre desenho e reportagem de objectos pessoais.
Maio foi de fadofutebol e Fátima. Junho é para apostar na formação!
Bons desenhos!
A equipa da Agenda

AGENDA DOS SKETCHERS
Junho 2017

Sketch Tour – Uma Nova Modalidade de Turismo
Por Eduardo Bajzek
Sketch Tour Portugal é um projeto fantástico, parceria do grupo Urban Sketchers e do Turismo de Portugal, que tem o intuito de promover o turismo no país através de temas específicos, como turismo religioso, natureza e gastronomia, registrados através dos olhos de sketchers portugueses e de outros países. Além desse objetivo, o programa traz consigo um riquíssimo intercâmbio entre os sketchers. Nunca vimos um país ser promovido, oficialmente, através de sketches, e torcemos para que esse original projeto se dissemine mundo afora.
A escolha do grupo formado nesta primeira etapa do programa foi muito acertada. Rob Sketcherman (Hong Kong), Kasia Szybka (Polônia), Fernanda Lamelas (Portugal) e eu (Brasil) criamos uma sintonia saudável, que mesmo por pouco tempo, contribuiu para nos apoiarmos e nos incentivarmos. Um inspirou o outro, cada um com suas particularidades e qualidades marcantes. Enquanto Rob desenhava com agilidade incrível em seu iPad, Kasia traçava linhas fluídas e pintava grandes e corajosas manchas de pretos. Fernanda e eu, nos divertíamos ao notar que tínhamos traços parecidos, e mesmo assim, trabalhos tão distintos. Sentados todos juntos, ou às vezes espalhados entre a multidão, registramos Fátima de diferentes formas. À noite, após o jantar, conversávamos bastante sobre o que tinha sido registrado e trocávamos muitas experiências. Foi uma incrível e inesquecível experiência.
Obrigado Portugal, e especialmente Fátima, por nos proporcionar tanta inspiração!
(Brasileiro, neto de portugueses, tem 41 anos e foi um dos fundadores do Urban Sketchers Brasil, em 2011, após sua participação no 2º Simpósio Internacional, realizado em Lisboa)
10 Years x 10 Classes em Elvas
Por José Barreiros
Luís Pedras, um nome que Elvas viu nascer a 1 de Maio e que toda a vida se tem dedicado ao trabalho e ao conhecimento da cerâmica e dos seus segredos.
Roncas são um instrumento musical muito peculiar que, de Luís Pedras aprendemos, remonta a sua origem às tribos africanas dos Macondes, Macuas, Uéué, onde era utilizado como objeto de iniciação para a puberdade pelas raparigas em rituais onde se preparavam para o casamento e para a vida sexual.
Como nos falou Luís Pedras, que já fabricou milhares, a ronca, este instrumento que é fabricado com o coração, comunga dos quatro elemento da natureza: a terra que é o próprio barro; a água que o molda; o ar que o seca e o fogo que o transforma.
Fomos convidados a ouvir a sua história de vida e ao mesmo tempo contemplando o seu atelier e todo o material que usa para o fabrico das roncas e outro artesanato em barro.
O 1º exercício/desafio de olhar, ver e desenhar uma “composição recorrendo a técnica mista, articulando desenhos das obras mostradas, espaço da oficina e representações figurativas do próprio ceramista.
O 2º exercício/desafio: “Vamos ver, e desenhar, como se faz uma ronca.”
Convidamos a “desenhar todo o processo de construção de uma ronca com desenhos rápidos, sobrepostos ou não, onde se procure captar diversos enquadramentos do ceramista e do processo manual de construção, em vários planos mais ou menos aproximados variando também o ângulo de visão.”
(Relato do workshop em Elvas, no dia 21 de Maio, preparado por João Sequeira e José Barreiros)
Um Ano a Desenhar Para o Futuro – Oficina de Omar Jaramillo
Por Rita Catita
A iniciativa “Um Ano a Desenhar para o Futuro” tem proporcionado experiências incríveis a todos os que aceitam o desafio de observar, através dos desenhos, as manhãs de Sábado no Jardim das Amoreiras. Mesmo para quem participa regulamente nas oficinas, na Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva, o olhar sobre o espaço está longe de ser classificado como repetitivo ou monótono.
A oficina do mês de Maio, com o artista equatoriano, residente em Berlim, Omar Jaramillo foi prova indelével da fonte inesgotável de formas como podemos olhar para os elementos que nos rodeiam. O Omar desafiou-nos a desenhar os espaços negativos da paisagem. Um exercício difícil que obrigou a turma a estabelecer novas conexões com o ambiente.
Depois de partilharmos os cadernos e a mesa do almoço, o Omar deu-nos a conhecer o seu trabalho. O auditório da Fundação recebeu o arquitecto, pintor e ilustrador para uma conferência intimista. O seu olhar pode ser visto aqui.
Entrevista a Suzana Nobre
A Suzana é a associada nº 75 dos USkP. É designer na indústria cerâmica em Aveiro e costuma impressionar-nos com os seus desenhos de concertos.
Suzana vista por ela própria
Há quanto tempo desenhas?
Desde criança que me recordo de desenhar bastante, os primeiros rabiscos de que tenho memória são as personagens da Disney e os elementos do ambiente que tinha em redor. Apesar de crescer num meio com uma forte componente industrial, estava rodeada pela natureza, e os animais, as plantas, serras e os ambientes rurais, estavam sempre presentes nos meus desenhos tendo desenvolvido sempre esse gosto ao longo dos anos. Desenhava muito os animais dos livros sobre natureza e a família, quando tinham paciência para pousar! Parei durante bastante tempo após ter começado a trabalhar e os desenhos foram mesmo muito esporádicos. Mas em 2012 recomecei por necessidade de reaver o gosto pelo desenho e por influência do movimento dos USK , tendo mantido até agora esse hábito de uma forma regular.
Há quanto tempo és USk?
Desde 2012.
O que mais inspira os teus desenhos?
As pessoas, gosto muito de as desenhar, captar as suas expressões e os seus momentos; a música, adoro desenhar em concertos; a história dos locais e das coisas; a natureza, paisagens, plantas, coisas bonitas, detalhes que gosto de guardar e que transformam o ato de desenhar em momentos terapêuticos de muito relaxamento. Há bastantes sketchers que me inspiram, pelos resultados gráficos dos seus desenhos e pela forma como resolvem determinadas 
situações, o que me leva a experimentar e explorar as suas técnicas.
O encontro USk mais marcante?
Foi sem dúvida o primeiro encontro a que consegui ir, "O Conservatório sai à rua - take 2" em finais de 2013. Aí conheci algumas das pessoas por trás dos desenhos que apenas conhecia do blog. Vivi aquela experiência do desenhar em grupo e de partilha dos desenhos e experiências. Por outro lado também foi um encontro que tinha o propósito de ajudar o conservatório, o que o tornou mais especial e ainda por cima ligado à música, a experiência de desenhar durante concertos foi maravilhosa!
Que materiais preferes usar?
Prefiro cadernos cosidos de pequena dimensão, não gosto de desenhar em áreas muito grandes (a não ser que possa despender bastante tempo a pormenorizar) e com uma gramagem de folha acima dos 160gr que me permita aguarelar. Mas gosto de experimentar formatos diferentes para testar outras composições e formas de desenhar. Nos materiais, apesar de dar preferência à caneta de tinta preta indelével para desenhar e aguarela para colorir, gosto de variar, experimentar e misturar, desde lápis de cor, grafite, grafite aguarelável, bic, tinta da china... para perceber as potencialidades que daí posso retirar. Em situações específicas gosto de insistir com alguns materiais como a bic azul ou preta para desenhar pessoas durante as viagens ou a caneta pincel de tinta da china para concertos.
Queres colaborar com a Agenda dos Sketchers?
Estamos sempre à procura de histórias de encontros e actividades dos urban sketchers em Portugal. Se gostavas de ver a tua história aqui, pergunta-nos como podes fazer, enviando um email para uskp.regionais@gmail.com.

ACONTECE EM JUNHO

Exposições

De 18-05 a 02-06 | Covilhã | Desenhos de Portugal | Maria Lopes | Museu dos Lanifícios da UBI
De 22-05 a 31-08 | Lisboa | Cadernos da América Latina | Eduardo Salavisa | Casa dos Mundos
A viagem de Eduardo Salavisa pela América Latina, agora em livro e exposição.
De 30-05 a 25-06 | Lisboa | (a)Riscar o Património 2017 | Museu da Marioneta, Património Cultural e USkP

Encontros

De 13-05 a 15-06 | Lisboa | Lisboa de Bordalo | Museu Bordalo Pinheiro e USkP
03-06 | Montemor-o-Velho | Os MoSk a desenhar clássicos | MoSk
03-06 | Arruda dos Vinhos | Riscar e pintar o mercado oitocentista | Ribatejo Sketchers
17-06 | Vila Viçosa | 50º Encontro ÉSk | Évora Sketchers
25-06 | Santarém | Encontro com os Ribatejo Sketchers

Formação

De 13-05 a 03-06 | Lisboa e Arrábida | Desenhar é viajar | José Louro | Museu do Oriente e Convento da Arrábida
03-06 | Beja | Little stories - Jorge Vieira Museum | João Catarino e Pedro Salgado | USk 10 years x 10 classes
03-06 | Beja | Medium stories - Beja Castle and the surrounding city | Pedro Salvador Mendes e João Catarino | USk 10 years x 10 classes
03-06 | Lisboa | Um ano a desenhar para o futuro | António Jorge Gonçalves | Casa-Atelier Vieira da Silva
03-06 | Lisboa | Vamos desenhar com | Mónia Abreu | Museu Arqueológico do Carmo e USkP
03-06 | Lisboa | Alfabeto Lisboeta: museus incomuns | José Louro | Arquivo Histórico Ultramarino
04-06 | Beja | Great stories - The olive oil or Beja remarkable trees | Marco Correia e Pedro Salvador Mendes | USk 10 years x 10 classes
07-06 | Lisboa | Medium stories - Statues and monuments | Nelson Paciência | USk 10 years x 10 classes
10-06 | Sintra | Perdidos no bosque | Richard Câmara e Nazaré de Sousa | Hipopómatos na Lua
11-06 | Cacilhas | Lisboa da outra margem | Richard Câmara | Gabinete de Dinamização Associativa
14-06 | Lisboa | Medium stories - Skyscrapers: look far and look down | Pedro Loureiro | USk 10 years x 10 classes
14-06 | Lisboa | Alfabeto Lisboeta: museus incomuns | Mário Linhares | Museu da Vida Subaquática e da História Submersa
17-06 | Vila Viçosa | Great stories - When the marble becomes alive | Vicente Sardinha e José Barreiros | USk 10 years x 10 classes
17-06 | Lisboa | Vamos desenhar com | Suzana Nobre | Museu Arqueológico do Carmo e USkP
21-06 | Lisboa | Great stories - Understanding each other | José Louro | USk 10 years x 10 classes
24-06 | Lisboa | Alfabeto Lisboeta: museus incomuns | José Louro
28-06 | Lisboa | Great stories - Strange conversations from normal people | Nelson Paciência | USk 10 years x 10 classes

Desafio 78 - Escadas

Participem com os vossos desenhos até 25 de Junho, marcando o post com a etiqueta "Desafio78"

Desafio 77 - Cozinha

O desenho mais comentado no desafio do mês de Abril é da autoria do António Procópio, que nos mostrou toda, mas mesmo toda a sua cozinha.

5 comentários:

José Louro disse...

Excelente este número!

Rita Catita Afonso disse...

Este fim de semana, ninguém fica em casa! Que agenda!

nelson paciencia disse...

Esta equipa editorial é de categoria!

Pedro Alves disse...

Que edição fantástica!

Procópio António disse...

Esta agenda está cada vez melhor!