Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

A ver gente pelas costas e a velhota com a pasta amarela

No meu percurso no 767 entre Alvalade e a Alameda, quando estou no meu modo "não vou ter tempo para fazer nada de jeito" ou no meu modo "está demasiada gente, vou dar muita cana", o mais provável é que me contente em desenhar a malta de costas.
Á volta, no metro desenhei a velhota. Enfim, desenho apressado e mal colocado. Não era sequer para o incluir. Mas senti pena em deixar de fora a senhora ali agarrada à sua pasta amarela. Portanto lá a deixei estar e dei um amarelo à pasta no paint brush (sim, mesmo à preguiçoso, não há cá photoshops nem illustrators).


4 comentários:

Suzana disse...

As texturas das roupas estão fantásticas!! Uma bela expressão!

Isabel Alegria disse...

Gosto da senhora com a pasta amarela... e a colocação está óptima! Há uma espécie de ausência reforçada pelo espaço vazio.

USKP disse...

Que texturas! Muito bom!
Celeste Vaz Ferreira

Lurdes Morais disse...

Gosto muito desta figuras, principalmente por causa destes padrões fantásticos da roupa.