Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

domingo, 25 de junho de 2017

A Sesta e a Penitência

Andava D. João de Castro, Vice-Rei da Índia no encalce de um veado, que a sua testosterona lhe prometera, quando vencido pelo cansaço se deixou adormecer. A manta morta serviu-lhe de colchão e um penedo de sombra. Até sonhou. Sonhou com um pedido: deveria construir ali um templo cristão.

D. João de Castro morreu antes de responder à solicitação. Haveria de ser o seu filho D. Álvaro de Castro a cumprir a incumbência de fundar, em 1560, um convento de frades Franciscanos: o Convento dos Capuchos ou Convento de Santa Cruz.

Quando olhamos por entre as árvores, somos convidados  reconstruir a sesta de D. João de Castro e outras lendas como a de Frei Honório: um homem religioso que não resistiu à contemplação de uma formosa rapariga que deambulava pela Serra de Sintra. Uma gruta adjacente ao singular e austero Convento dos Capuchos serviu de penitência, durante mais de três décadas, a este virtuoso frade.

Talvez Frei Honório só quisesse fazer um desenho no seu caderno.




 

6 comentários:

André Duarte Baptista disse...

muito bom, desenho e texto

Bruno Vieira disse...

Que história, espero que tenhas reconstituído a sesta... :)
Os verde é do mais difícil, com os negativos até resultou muito bem.

Rosário disse...

Que história e que desenho!

Pedro Loureiro disse...

Assim, com belos desenhos e belas histórias se fazem belíssimos posts

Rita Catita Afonso disse...

Andava eu pela Serra de Sintra quando adormeci e sonhei que sketchers que eu tanto admiro gostavam dos meus desenhos e das minhas histórias. Obrigada : *

USKP disse...

Adoro este desenho, Rita!

Paula Cabral