Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

10yX10c Lisbon Skyscrapers

Esta sessão 10x10, sob o tema dos Skyscrapers de Lisboa, começou logo bem, quando o Pedro Loureiro referiu que os belos miradouros da cidade - e, em particular,o de N Srª do Monte, onde nos encontrávamos - eram os nossos arranha-céus. Muito bem observado!
Mais uma vez não sentimos o tempo passar, divertimo-nos, aprendemos e o Pedro está de parabéns!

Agora sobre os desafios:
1º o primeiro parecia fácil: traçar o skyline de Lisboa, visto do miradouro: com receio de não conseguir incluir no caderninho toda a linha de vista, acabei por a condensar em pouco mais de meia página de altura...simplifiquei o traçado, portanto.

2º o segundo desafio foi, para mim, o mais desafiante e original, que espero vir a praticar mais vezes: simplificar um caminho, desenhando de baixo para cima, até atingir um site objetivo: escolhi o miradouro da Graça porque estava cheio da cor de um mundão de turistas; o que não sabia era que iria deleitar-me no percurso até lá, ao longo do Caracol da Graça”: uma rua estreitinha e sinuosa com vários lances de escadas, ladeada por um muro, outrora cinzentão e agora de amarelo vivo, que sobressai na paisagem. Lindo!

3º finalmente o terceiro desafio: captar conversas de turistas no miradouro que referissem locais em Lisboa e desenhar o caminho até lá. 
Quase de imediato ouvi um brasileiro referir em tom jocoso, que me irritou: “Onde está o pôr do sol? Vamos ter de ir a Santorini (onde os turistas vão a correr ver o por do sol sobre o mar)??” E foi assim que desenhei “o caminho até ao por do sol”, por entre prédios e arranha-céus, que estava envolto numa bruma cinza. Então, outro músico turista começou a tocar e a cantar a bela balada do Vinicius e do Tom Jobim, “Eu sei que vou te amar...” o que me fez pensar que, esse sim, é o sentimento dos turistas para com a Lisboa vista dos nossos skyscrapers!


6 comentários:

Ana Resende disse...


Gosto muito dos desenhos e dos comentários!!!

Ana Resende

Celeste Vaz Ferreira disse...

Gosto particularmente do músico! Vim com essa letra e melodia na cabeça!

Mário Linhares disse...

Que pena tenho eu de só ter chegado no fim...

Pedro Loureiro disse...

Boa execução! Gosto muito do pormenor do título do primeiro desenho :)

Ana Carvalho disse...

Fefa, que reportagem tão bem conseguida! O desafio, já de si, era muito interessante, mas tu deste-lhe uma respiração, uma cor, um ritmo, nós a turistar pela nossa Lisboa, que me encantou!! Parabéns!

Isabel Rodrigues disse...

a verdade é que depois de apreciar estas belas ilustrações, fiquei a tarde inteira a trautear o "eu sei que eu vou-te amar...." :)