Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

terça-feira, 27 de junho de 2017

Os do costume e a scooter preta


Piquenique no ISA_Parte I

 
Vamos lá conhecer o ISA e a Isa. Não conhecia, nem um, nem outra. Fiquei rendido aos dois.
Parti de Torres com Bruno. Chegamos cedo. Só lá estava a Isa, que logo nos sorriu. Os bancos denunciaram-nos.
O desenho que se segue foi feito enquanto esperávamos. Um desenho solto, descomprometido, feito a vários ritmos, entre beijos e abraços, apresentações e reencontros. Não consegui conclui-lo logo, começa a visita. No regresso a casa retomei a "conversa".
 

Para além da Isa, tivemos outra anfitriã, a Catarina com a habitual simpatia e paixão pelo ISA.
O desenho da ponte foi feito na primeira explicação da Catarina e antes de descermos pela "rampa da asneira". Precisamente a esta hora (do desenho) o Tomás estava a subir o Cristo Rei numa visita de estudo. Só por isso não foi ao encontro de desenho e ao Piquenique que teria adorado...
 
O segundo desenho é do observatório que se encontra num estado de conservação, no mínimo preocupante.

 
A visita continua e eis que encontramos este conjunto edificado junto ao famoso Pavilhão de Exposições. Mas a maior qualidade deste edifício é a sua localização - junto às tão procuradas instalações sanitárias...
 
 
A rapaziada continuou a andar, mas o cansaço e calor aconselharam-me a continuar o desenho à sombra de uma bela árvore na companhia da Isabel Braga.
Amanhã publico os restantes desenhos, mas posso adiantar que a esta altura já estava rendido a este paraíso no meio da cidade. Silêncio, árvores, pássaros, arquitectura singular e vista desafogada sob o Tejo. Lisboa é uma caixinha de surpresas... Obrigado à Isa e à Catarina

Pic Nic (G. Patrão)





Maru Godas e Santi Sallés

Que privilégio receber dois amigos tão talentosos em Lisboa este fim de semana. A Maru Godas e o Santi Sallés vão estar este Sábado às 10:30, no Museu Vieira da Silva, para orientar um workshop de desenho inserido na programação do Lisboa Capital Ibero-Americana de Cultura. Imperdível!

Mais informações AQUI
Inscrições para o email casa-atelier@fasvs.pt

 Maru Godas

Santi Sallés

Vistas

Quando morei em Lisboa tinha uma vista a 180º sobre o rio e a ponte, com o manto de luzes das margens, com cruzeiros e aviões que por ali entravam, uma vista que abraçava o quarto e os jantares românticos... Na altura desenhava muito pouco e fotografava bastante. Agora não a posso desenhar, mas tenho um céu e duas buganvílias gigantes que espreitam pelo quarto e de vez em quando surpreendem...


Sinto que desenhos em vez de fotografias tinham deixado registos muito mais interessantes.

Marina do Funchal

Com vista para as Desertas.
Mantendo-se inalterada a vista para as ilhas, o primeiro plano evoluiu extraordinariamente nos últimos anos.
Contas feitas - é uma maneira de dizer, não me refiro às contas propriamente ditas - a evolução foi muito positiva.

Desenhar Santarém

Igreja de S. Francisco, Santarém
Um encontro muito bem organizado que incluiu uma visita guiada à cidade e um almoço oferecido pela Câmara Municipal de Santarém. Parabéns aos organizadores. 

Encontro no ISA -Desenhar na Tapada da Ajuda


Este encontro para desenhar na Tapada da Ajuda, incluiu uma visita guiada e a oportunidade de um registo fotográfico que de outra maneira não teria sido possível, além de uma grande e variada produção de desenhos de todos os participantes.





O picnic...

...na Tapada da Ajuda!

Lugar de Praia - Agua D'Alto - Açores

Este foi feito no Lugar de Praia, em Agua D'Alto no sábado. Foi um passeio para recuperar da noite anterior visto ter sido noite de São João e na Vila Franca foi noite de marchas.


Esta localidade é pequena mas mágica, parece um pequeno presépio. Desde trilhos pedestres, cascatas, centrais elétricas abandonadas e um museu, vale a pena passear nesta localidade.
Ao perto desta localidade poderá também encontrar uma praia que na minha modesta opinião, será a mais bonita de São Miguel, a praia da Pedreira. Fiz este registo no dia anterior (sexta-feira, dia das marchas de São João da Vila). 



Está ainda incompleto, pois nessa tarde estava muito sol e calor e decidi refugiar-me no café Araújo, onde poderá desfrutar de finos a 60 cêntimos.
Sobre as marchas de São João não tenho registos, uma vez que participei na marcha da escola Secundária de Vila Franca do Campo.
Viva ao São João da Vila!!!



10x10 no Martim Moniz

Tema 7: Entendamo-nos
José Louro

Decorria uma demonstração de skaters no Martim Moniz, por isso tínhamos modelos disponíveis para serem desenhados, uma vez que o tema deste último módulo são pessoas!


O Zé fez uma apresentação sobre a norma do desenho para o corpo humano. E depois pediu-nos para desenhar pessoas que fugissem a essa norma! Portanto, primeiro perceber a norma para depois saber como sair dela, mas mantendo-a no desenho! Foi o horror dos horrores! E foi com muitas dificuldades que consegui concluir esta dupla página...


Um exercício de face to face! Depois de percebermos a norma do rosto humano trabalhar o claro/escuro com o perto/longe só com aguarela. Tudo isso em meia hora: 15 minutos para cada um desenhar o seu par! Este foi mais fácil!

Ribeira da Janela

Por breves instantes espreitando à janela da foz da ribeira da dita.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Peniche e o séc. XVI

Sinais dos tempos

E é isto numa esplanada à beira mar... 

Gente amarfanhada


No lado esquerdo, no metro, um tuga à maneira, a falar alto e em tom agressivo ao telemóvel, com as pernas abertas e a mão livre bem próxima da genitália. No lado direito, na paragem do 767, uma miuda bem rubenesca cujo retrato transparece uma Nelson Paciencite aguda.

The Diamond, em Sheffield


É um edifício ultra-moderno, todo em losangos, facetado como um diamante. Fica ao lado de um prédio bem mais vetusto, com o tijolo tão típico de Sheffield e de outras zonas centrais de Inglaterra. Foi junto a este que fiz um dos meus desenhos na semana passada:



A versão a aguarela (acrescentada em casa) pode ver-se AQUI:

Descobrir Aveiro num livro :)




Olá a todos, é com muito orgulho que vos venho deixar-vos um convite, no dia 30 de Junho vou apresentar juntamente com uma colega, a Suzana Caldeira (uma outra Suzana), um livro de turismo sobre Aveiro. São duas formas diferentes de ver a cidade e que se juntaram pela paixão de Aveiro: pelos meus desenhos, que faço em diário gráfico, e pela descrição de quem faz passeios turísticos e aprofunda a história sobre a cidade. 
A apresentação será na loja Cais à Porta, no Cais da Falcoeiras nº 6 em Aveiro. Apareçam :)

Este é o menino já nas mãos, está muito bonito :)



Cemitério

Vila Viçosa é terra de mármores, por isso fui desenhar num local onde há muito... E lá encontrei a Florbela.


Parque Eduardo VII

No meio das árvores à sombrinha
Marcador : Canetas de Feltro

Alfabeto Lisboeta - Letra U

No Arquivo Histórico Ultramarino, numa sala maravilhosa, a proposta do Mário Linhares foi através de vários mapas construirmos um mapa. E dar-lhe um título.

Imaginário Ultramarino

Encontro Picnic na Tapada da Ajuda - Instituto Superior de Agronomia

Aqui ficam os restantes desenhos e duas fotos tiradas durante o encontro :-)








Tapada da Ajuda




O último desenho que fiz - um bocadinho de casca de uma árvore que se encontrava no chão. O que eu chamo as pequenas grandes coisas e que, para mim, são muito desenháveis.

Os dois desenhos que fiz em caderno grande ficarão para quando tiver tempo de os passar no scanner.

domingo, 25 de junho de 2017

Santarém

Santarém estave cheia de gente, de sketchers, de vontade, de coisas para ver e pessoas para conhecer.
Depois de alguma caminhada explorando ruas e jardins, eu e o Pedro Alves paramos no jardim e miradouro das Portas do Sol, a vista era de tirar o fôlego. Ficamos ali a rabiscar e a pintar, falando de aguarela e paisagem, do Ribatejo e da vida.


De tarde, a sesta aliciava, mas havia tanta coisa para ver e tentar desenhar.
A chuva ainda me atrapalhou as linhas e o tempo passou a correr, aqui ficou Pedro Alvares Cabral, descobridor do Brasil, com descanso eterno na Igreja da Graça, cheia de detalhes e uma daquelas rosáceas hipnotizantes.

Tapada da Ajuda

Sempre tivera curiosidade pela grande área do Instituto Superior de Agronomia, durante alguns anos frequentei uma parte da tapada e alguns atravessamentos, nunca imaginaria toda a sua dimensão assim como o valor de algumas pérolas ali escondidas.
Neste encontro arrastei mais uma sketcher nova e acho que é para continuar :)

Desenho em andamento pela manhã.


 Vistas sobre os campos e Lisboa, estendendo a margem sul até ao horizonte do Algarve (quero acreditar)

 Observatório Astronómico de Lisboa e o seu jardim romântico, como um amante esquecido, perdido, entre o silêncio e o cantar dos pássaros, envelhecendo com o tempo.


Manto de dragoeiros e sketchers à conversa sobre desenho e sobre a vida.

Uma tarde fabulosa, pelas pessoas, pelas partilhas, pela beleza do que conseguimos ver nos traços invisiveis... 

A malta do 767

No 767

No dia seguinte na paragem à espera do 767