Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Literatura e Viajantes IX

Segunda... A complexidade do casario de Óbidos andava a implorar para ser desenhada, como provavelmente seria o ultimo desenho até não aguentar mais dos glúteos (banco de pedra), fiz-lhe a vontade.
Debaixo das Oliveiras a tentação era de sesta, o local era desviado das rotas românticas populares e oculto de olhares, apenas se ouviam os pássaros a cantarolar e os turistas aos berros com medo de cair da muralha ("Que merda! Agarrem-se à parede!").


3 comentários:

nelson paciencia disse...

Que óptimos os teus desenhos de Óbidos!

Bruno Vieira disse...

Obrigado, quase um retiro Zen controlando os níveis de paciência... Óbidos é muito desenhavel mas também cansa com tanto detalhe.

teresa ruivo disse...

Que complexidade tão bem resolvida! Muito bom mesmo!