Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Largo Trindade Coelho


Se há motivo que me faz instantaneamente puxar do bloco para desenhar é quando espero por algo ou alguém. Independentemente do tempo que eu espero/desenho, nunca sei o tempo que me resta e como tal, desenho e pinto como se cada segundo fosse o último. Enquanto a minha filha me dava gelado de morango e a minha mulher foi buscar mais, desenhei o final da Rua da Misericórdia em Lisboa e o contraste do final da tarde, onde o sol dourava tudo onde tocava em oposição ao lado sombrio da rua que eu fiz questão de dramatizar.

9 comentários:

Bruno Vieira disse...

Parece que o gelado durou mais tempo a comer do que o desenho a ser feito. Gostei da dualidade, dos tons quentes e dos frios em sombra.

Eduardo Salavisa disse...

Estas folhas em primeiro plano ficam sempre bem. E , claro, está fantástico.

teresa ruivo disse...

Já chateia, bolas ! :)

Suzana disse...

Que bonito que está!

Lurdes Morais disse...

Reconhecem-se à légua, os teus desenhos! Gosto, gosto.

USKP disse...

Belo jogo de cores aplicado ao traço que conhecemos bem!
Fefa

Maria Leonor Janeiro disse...

A estética está em mutação mas lá fica o essencial para reconhecer o autor de imediato. Está muito bom.
Leonor Janeiro

USKP disse...

Dizer que está fantástico seria mais que óbvio... mas realmente não me ocorre dizer mais nada!

João Carvalho

DiasVanda disse...

Estes jogos cromáticos são ... tão bons!