Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Finlândia X - Rauma


Depois de horas na estrada, demos com uma bela cidade, que a Unesco diz ser Património da Humanidade. As casas de madeira são autênticas relíquias de carpintaria, talhadas para ser confortáveis como casas de bonecas e resistentes aos invernos mais inclementes. As duas ruas principais pareceram-nos vazias, o comércio todo fechado pelas férias da Páscoa. Mas o café da praça central estava aberto e serviu-nos expressos de todos os tamanhos e feitios. E à frente da Igreja estavam os vizinhos a enfeitar os arbustos com ovos da Páscoa. Durante a meia-hora que estive neste lugar, fiquei com a sensação de que aqui, a vida corre lentamente. Quando me sentei para desenhar os históricos Paços do Concelho, comecei a sentir os flocos de neve na cabeça, que começaram a cari lentamente. Mas a bebida quente que acabara de tomar deu-me alento para acabar o desenho.

2 comentários:

Suzana disse...

Que bonita descrição e o desenho reflete essa calma...

USKP disse...

É um sítio realmente calmo. Posso dizer que esta foi das viagem em que tive mais tempo para desenhar, porque noutros lugares, há sempre programas mais agitados :)