Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sábado, 8 de abril de 2017

Palácio da Ajuda


Fiz esta aguarela enquanto falava na esplanada da Faculdade, onde fiz uma visita, dois anos depois da discussão da tese. Revi colegas e professores, são amizades que ficam. E no fim da visita, tive aquele conforto, que é reencontrar esta vista única sobre o Tejo. Pouco mudou.

A torre sineira, mais conhecida por Torre do Galo, lá está, imóvel, escurecendo com o tempo. O Gastão Brito e Silva, no seu blogue Ruin'arte, fez-lhe uma reportagem, denunciou a sua ruína e... nem isso mudou. O mesmo se pode dizer sobre o palácio, que continua incompleto, à espera do dinheiro das jóias da coroa para o avanço das obras. Mas toda esta vista, meio-urbana, meio-campestre, feita de sonhos incompletos, não deixa de intrigar. Notei uma só diferença: nos prados do fundo do vale, pastavam ovelhas e agora, a Câmara Municipal fez um belo jardim.

2 comentários:

nelson paciencia disse...

Belo post!

L.Frasco disse...

Ganda aguarela, Tomás! E belo texto!
(não deixes de complementar os teus desenhos com as tuas palavras)