Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 23 de março de 2017

O regresso do filho pródigo


Depois de várias semanas de preparação, os desenhos feitos durante o desafio de seis meses proposto pelo Pedro Cabral aos Urban Sketchers Portugal viu, finalmente a luz do dia! Alfredo Roque Gameiro deixou Minde para trabalhar, desenhar e pintar as ruas de Lisboa no princípio do século XX. No último sábado, perto de uma centena de desenhos, feitos por cerca de cinquenta autores, em revista aos cem locais originais desenhados pelo célebre aguarelista estabeleceram-se na sua terra natal em tributo.


Não havia melhor sítio nem melhor gente para receber esta exposição que o Museu de Aguarela Roque Gameiro e as pessoas que o mantêm. Os desenhos podem ser vistos até 15 de Abril, altura em que serão reunidos para uma futura exposição que ainda está no estirador. No museu também se pode visitar uma exposição de originais de Alfredo Roque Gameiro, alguns deles, ilustrações feitas para uma edição d'As Pupilas do Senhor Reitor. Por cima de tudo, o próprio edifício onde se localiza o museu - a Casa Açores, com os seus jardins e anexos - vale bem a visita, tendo sido, em toda a probabilidade, projectada por Raul Lino, já que ele e Alfredo eram bons amigos.



O encontro de desenho que inaugurou a exposição juntou cerca de 20 desenhadores no museu. Alguns até exploraram o atelier de tecelagem onde se fazem as belas mantas de lã de Minde, e a própria vila. Ao fim da tarde, o grupo local Charales Chorus ofereceu-nos um belo gospel e umas outras melodias para o caminho de volta a casa.


7 comentários:

nelson paciencia disse...

É isto. Um gajo fica com alguma pena de não ter conseguido ir a Minde, e depois vê o teu post e começa a espumar da boca de nervos por não estar naquela fotografia.
Belo post meu caro, e parabéns pela tua dedicação a este projecto.

Pedro disse...

Foi assim mesmo. Um dia bem passado.

Rita Catita Afonso disse...

Quem é aquela menina curvado sobre o caderno? (1º desenho)

Pedro Loureiro disse...

Nelson: a malta merece dedicação ;)
Rita: é uma jovem aspirante a correspondente em Chicago!

teresa ruivo disse...

Mais uma vez mil obrigada aos incansáveis Pedros. Aos indesculpaveis faltosos, só resta organizar uma excursão. Bora lá?

jeanne disse...

Existe um catalogo da exposição?

Pedro Loureiro disse...

Teresa: Obrigado!
Jeanne: Não. Mais uma ideia para o pote de ideias :)