Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Minde (de manhã)

Para mim Minde era "aquela vila que se vê da auto-estrada, na zona onde é muito inclinada". Mas eu gosto de conhecer Portugal e os seus recantos (como muitos lhes chamam), por isso não quis perder a oportunidade de visitar Minde no âmbito do encontro dos USKP.


A nossa base era o museu de aguarela Roque Gameiro, localizado na casa que chamam dos Açores idealizada pelo Arq. Raul Lino. O dia encontro começou com uma visita ao pequeno espaço do museu onde, por entre a arte emoldurada de Roque Gameiro, encontrámos também alguns objectos pessoais do artista.



Depois da visita ao museu surgiu a oportunidade de visitar o jardim da casa, muito arranjado, bonito e agradável. Ao chegar de manhã tinha-me apercebido do torreão num dos cantos do jardim e achei que se encaixaria bem no meu caderno, por isso procurei o ângulo que mais me interessava (de preferência que me permitisse ficar ao sol) e lancei-me ao desenho.



Como afinal o sol estava muito forte e eu já estava a arder, antes do encontro para o almoço fui para a parte mais fresca do jardim, que tinha árvores mais altas e dava uns ares de mata. Sentado numa enorme rocha desenhei uma parte da casa que se via por entre a folhagem.
Depois foi tempo de partilha do trabalho matinal e logo de seguida o almoço já merecido depois do trabalho árduo da manhã.

3 comentários:

Rita Catita Afonso disse...

Que bonitos Filipe.

nelson paciencia disse...

Óptimos desenhos!

Suzana disse...

Muito bonitos! Os espaços que deixas em branco fazem toda a diferença!