Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Lojas tradicionais de Lisboa







Finalmente fui desenhar as lojas tradicionais de Lisboa.

O Londres Salão, na Rua Augusta, trouxe-me grandes lembranças. Na minha adolescência era a melhor casa onde a minha mãe me podia levar, os tecidos eram magníficos, diferentes e de muito boa qualidade. Havia uma vendedora, a minha preferida, que tinha uma enorme paciência para mim e ajudava-me a escolher com critério e de acordo com a finalidade. Só lá ia quando havia casamentos, baptizados ou alguma festa importante. O pronto a vestir veio dar cabo de muitas destas lojas, mas o Londres Salão tem-se aguentado.

Ontem enquanto desenhava, o passado estava ali  e principalmente a minha mãe que me acompanhava sempre e que, com a sua bonomia, ia gozando com as minhas hesitações e com as escolhas que eu queria fazer muito acima do orçamento estipulado!!!

O segundo sketch é da Joelharia Ferreira Marques no Rossio.