Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Chaminés de Campo de Ourique

Manhã de sábado dia 25 de Fevereiro 2017, reunimo-nos em frente à Igreja de Santo Condestável, e ao Mercado de Campo de Ourique, com a finalidade de desenhar as seis mais emblemáticas chaminés, deste bairro de Lisboa. O percurso foi dado e bem orientado pela Rosário Félix, tipo peddy-paper, pois o tempo era pouco até ao almoço. Este tema desde logo suscitou-me curiosidade, mas deu-me muito prazer.
Tudo acabou no Jardim da Parada, com a partilha dos trabalhos.

As duas primeiras, com um prédio pelo meio, vistas do largo da Igreja de Santo Condestável.
Afinal deram-me a informação, de que a da dtª, tinha sido a de uma cozinha económica e não fábrica de tijolos.

Nas traseiras dos prédios, passando por baixo de um.

A padaria do Povo.


A última, outra padaria a Beira-Tejo.

4 comentários:

Ana Crispim disse...

Bons trabalhos!!!

Marilisa Mesquita disse...

Adoro! Belíssimos enquadramentos ;)

Suzana disse...

Lindas as chaminés!!

Rosário disse...

Os desenhos estão fantásticos!