Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 9 de março de 2017

A minha 1ª biblioteca

A minha primeira biblioteca tinha 4 rodas. Todos os meses esperava pela sua chegada na  Praça da República em Vila Viçosa. Falo da Biblioteca Itinerante da Gulbenkian da qual guardo as melhores recordações. Uma porta lateral dava acesso ao seu interior. Era absolutamente fascinante. O corredor estava circundado de prateleiras. Eu adorava viajar pelas lombadas dos livros. Era um pequeno descobridor à procura de aventuras. O interior daquele pequeno veículo parecia não ter fim. O condutor virava-para trás e naquele mini balcão transformava-se em bibliotecário. Depois de escolhidos os livros ia ter com ele. Não havia computadores. Só o pequeno bloco onde ele anotava as cotas e os nomes. Depois de sair ficava a observar as pessoas. Quando podia esperava que a biblioteca arranca-se. ficava ali a vê-la partir. É esta a memória que tenho da minha primeira biblioteca. Não sei se se terá passado tudo assim. Mas foi desta maneira que ficou gravado. Hoje passei por uma destas. Não era a da Gulbenkian. Era de outra coisa qualquer. Não tinha recheio nenhum. Só a carcaça. Antes de desenhar entrei e viajei no tempo.

3 comentários:

Rosário disse...

Lembro-me perfeitamente! É uma das memórias muito boas da minha aldeia! Foi uma lufada de ar fresco e de conhecimento a meio do séc XX! Além da memória o teu desenho está excelente

Vicente disse...

Lembro-me perfeitamente do senhor de barbicha branca dentro da carrinha ao lado do café Framar.

Jrosa disse...

Belo trabalho e linda recordação.