Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quarta-feira, 15 de março de 2017

A casa amarela

A casa amarela ficava na Rua do Seminário em Mafra. Tinha lido num dos jornais da vila que a casa, propriedade da Câmara, ia ser demolida. A casa chamava  muito à atenção porque estava isolada no meio de outros edifícios que quase a engoliam. No dia em que passei por lá vi o aparato  dos trabalhadores. Deviam ser umas noves horas. Não tinha muito tempo porque precisava de seguir viagem para lisboa, mas pensei que era uma oportunidade única. Parei o carro e desenhei o mais depressa que pude a casa e os trabalhadores. Nessa altura estavam a tirar as portas, as janelas e as telhas. Não parecia uma demolição mas uma desconstrução. Quando passei ao fim do dia a casa  tinha desaparecido. Os desenhos guardam a memória de um lugar. E neste caso o lugar mudou para sempre ficando apenas o registo gráfico.

5 comentários:

Bruno Vieira disse...

bom registo, no caderno fica para sempre ;)

Jrosa disse...

O desenho como informação preciosa que vence os tempos. Belo trabalho.

Rosário disse...

Bom registo!

Eduardo Salavisa disse...

Boa António! Para o arquivo da memória.

nelson paciencia disse...

Que óptimo post!