Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

#34 - Ginjinha Sem Rival e Eduardino


Aproveitei a pausa de almoço para ir desenhar uma loja emblemática de Lisboa - a Ginjinha Sem Rival. O edificio está cheio de andaimes e tive de desenhar mesmo junto à entrada da pequena loja. 
Quis desenhar um pouco do interior e para não sentir que estava a mais num espaço tão pequeno, pedi uma ginja (em jejum). Falei com um dos donos e mostrei-lhe o desenho. As pessoas junto ao balcão também espreitaram e fizeram perguntas. Contei da lista de lojas a desenhar - muitas para uma só pessoa! Aí falei dos Urban Sketchers. Fui depois almoçar, com a ginja a fazer mossa no estômago vazio.

6 comentários:

Manuel Tavares disse...

Haha, valente! Não se nota efeitos secundários no teu desenho, Henrique.
Bem, a não ser uma ligeira inclinação do desenho :D
Excelente!

teresa ruivo disse...

Usk sofre :)

Patricia Ferreira disse...

Delicioso!
A inclinação decorre... da ginginha?! :D

USKP disse...

Adoro este post "inclinado" :)
Celeste Vaz Ferreira

nelson paciencia disse...

Os desenhos com um copito só podem sair melhores!

Suzana disse...

Bem giro :D