Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

#15 Confeitaria Nacional - Montra


De volta aos desafios de Caçar desenhos. Um grande bem-haja a quem inventou este para nos curar da ressaca do Roque Gameiro. Eu próprio já andava sem vontade de ir para as ruas para desenhar apenas por desenhar... Estes desafios dão-nos um propósito extra, um objectivo. E o meu objectivo nesta estreia era tentar não babar muito o chão à minha volta. Ainda bem que o reflexo implacável da Praça da Figueira atingiu aquelas montras com tal violência que mal se via o monte de bolos-rei e pasteis de nata que são qualquer coisa de outro mundo. Mais um pouco e o desenho teria sido feito no interior (o que é uma hipotese ainda ;)

6 comentários:

Manuel Tavares disse...

Lá dentro o desafio é muito maior. O cheiro a bolos e a doces :D , os tectos, e interiores cheios de tempo e pormenor. Existe ainda o primeiro andar a explorar. Força nisso. Querem companhia?

Fernanda Fernandes disse...

Este primeiro sketch, do exterior da confeitaria, abre o apetite para o desenho no interior,não esquecendo a diversidade de nacionalidades dos turistas que a invadem.

Fefa

Pedro Loureiro disse...

Catano para os bolos! Babo é com o desenho!

USKP disse...

Um pouco de desconstrução resulta! Muito bom
Leonor Janeiro

Pedro Alves disse...

Muito obrigado a todos ;)

Patricia Ferreira disse...

Apetece entrar no desenho, Pedro!