Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

domingo, 18 de dezembro de 2016

Mausoléu dos Duques de Palmela

Tenho ido várias vezes ao cemitério para desenhar! Queria muito fazê-lo dentro do mausoléu dos Duques de Palmela. A primeira vez só consegui desenhar o portão (que estava fechado). Da segunda vez consegui passar o portão e desenhar o exterior do mausoléu, que soube agora que as duas das colunas substituíram os leões que estão agora em S.Bento. E ontem, num dia de céu muito azul, mas muito frio, foi bom ouvir muitas histórias sobre a Arte Funerária do cemitério e finalmente desenhar dentro do mausoléu. (os meus agradecimentos ao Dr. Licinio Fidalgo e aos desenhadores que tão bem desenharam)!

5 comentários:

teresa ruivo disse...

Assim ainda fico com mais pena de não ter ido!

Alexandra Baptista disse...

Os cemitérios são locais de descanço e de grande beleza e precisam de ser entendidos e desenhados... são bonitos os registos.

Fernanda Lamelas disse...

Que bonito e que bom deve ter sido o encontro!

hfm disse...

Que bela manhã, Rosário. Que histórias que se reflectiram nos nossos desenhos. Obrigada.

Maria Celeste disse...

...que bom deve ter sido...