Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

à janela, no hospital Egas Moniz

 
Hospital Egas Moniz, Junqueira, Freguesia de Alcântara
 
2 horas de espera dão para muita coisa - acabar um livro, fazer telefonemas e claro, um desenho. Da sala de espera, tinha duas opções (nascente ou poente), escolhi nascente, pela ponte.
Todas as vistas tê mum denominador comum: a arquitectura do Estado Novo - desde a ponte 25 de Abril, aos vários pavilhões que compõe este complexo hospitalar, Inicialmente denominado de Hospital Colonial, tendo como impulsionador o Rei D. Carlos, que desde sempre se interessou pelas doenças tropicais.
O complexo foi construído nos terrenos da antiga Quinta do Saldanha. O 1º pavilhão foi inaugurado em 1925, sendo financiado por Macau.
Inicialmente pertencia ao Ministério do Ultramar e era dirigido aos antigos combatentes, motivo pelo qual, em 1948, passou a Hospital de Ultramar.
Até à década de 1970, muitas foram as alterações e ampliações, ganhando a configuração que hoje conhecemos.
É em 1974, quando se assinala o centenário do Dr. António Egas Moniz, que o governo decide alterar o nome para Hospital Egas Moniz.
.
 


5 comentários:

hfm disse...

Temos sketch, temos história e uma reportagem que tomara ver em alguns jornais. Gosto. Muito.

Suzana disse...

Gostei de conhecer a história e gosto muito do desenho :)

Miú disse...

Belo saldo de uma longa espera, e logo num hospital! Espero que não tenha sido nada de grave, André.

Rosário disse...

Também gosto!

André Duarte Baptista disse...

obrigado