Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sábado, 26 de novembro de 2016

No Largo da Achada


Na frente mais acima do Largo da Achada, há um beco abrigado do sol, com escadinhas e jardins privados em espaço público. O espaço raramente é completamente público ou completamente privado na Lisboa Velha. Também há uma das dúzias de casas de ressalto existentes na cidade. São edifícios de habitação, na sua maioria oriundos do séc. XV, com andares de estrutura de madeira a projectarem-se sobre as ruas e vielas. Uma forma esperta de expandir os bens imóveis, que encontra o seu espelho nas modernas marquises. Esperta, mas perigosa, já que a maioria destes pisos de resalto colapsaram durante o terramoto de 1755. Apesar da legislação subsequente a proibir os ressaltos, estes foram prontamente reconstruidos, claro. Hoje em dia posam pitorescos, aguardando o grande que aí vem.

(continua)

5 comentários:

AB disse...

Uma delícia!...

Filipe Pinto disse...

Muito boa a perspectiva. Já podias editar um livro só com os desenhos do Roque Gameiro.

nelson paciencia disse...

O gajo podia ir à lua à conta destes desenhos!

Marcelo de Deus disse...

SOBERBO

Pedro Loureiro disse...

Obrigado :)