Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sábado, 8 de outubro de 2016

Porto. Ponto.

Descobri, no encontro do Porto, que a cidade é agora uma marca. O Porto do "ar grave e sério" e do "timbre pardacento" já não existe... Não que não lhe tenha feito bem. Há 20 anos atrás, o Porto, especialmente a Ribeira e a Baixa, eram mesmo "pedras sujas e gastas" para continuar a citar o Veloso.
O outro lado da moeda é, como em Lisboa, a "Portolândia". Temos que nos habituar às hordas de turistas, como em qualquer outra (bonita) cidade europeia. (ver mais)


6 comentários:

Filipe Pinto disse...

Este desenho tem lá tudo o que precisa e parece tão simples.

teresa ruivo disse...

Um Zé Louro puro. Ponto.

hfm disse...

Gosto. Muito.

nelson paciencia disse...

É um grande desenho!

Mário Linhares disse...

Texto e desenho de mestre!
Quem sabe, sabe!

cláudia mestre disse...

Dos desenhos que vi neste encontro, este é um dos meus preferidos!