Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

lá de cima...

Li em qualquer lugar que a convenção pictórica de desfocar os planos mais longíncuos só apareceu depois da invenção da fotografia. Será?

3 comentários:

teresa ruivo disse...

Beleza:)

Eduardo Salavisa disse...

É natural que sim. A fotografia mudou radicalmente a pintura. Como a víamos, como a fazíamos e para que servia. Belo apontamento impressionista.

Pedro Alves disse...

Tenho quase a certeza que sim... Pelo menos, a pintura impressionista reflecte esse facto, uma vez que com a existência da fotografia, já não fazia sentido seguir a rigidez do desenho académico. O teu desenho faz lembrar Cezanne, um grande impulsionador do tipo de desenho que acabaste de publicar e que está fantástico, do melhor que já vi aqui. ;)