Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Desenhar nos Açores

É sempre bom voltar aos Açores. E ainda por cima quando se passeia durante o dia e ao fim da tarde fala-se sobre e faz-se desenho. E daquele que eu gosto: rápido como um apontamento. Na biblioteca e no jardim Antero de Quental.

Primeiro desenho: eu e a Alexandra Prado Coelho sugerimos, no fim da primeira sessão, entrevistarem-se uns aos outros. Com desenhos e palavras.

Segundo desenho: quando íamos a sair, surpresa! Estava a acabar uma sessão do lançamento de um livro de D.Ximenes Belo. A maioria das pessoas já tinha saído e o próprio ainda estava no palco a acabar de assinar. Havia timorenses, com vestidos tradicionais, que, penso, deviam ter dançado.

Se quiserem ver os desenhos que fiz pela ilha de S.Miguel, espreitem aqui.



5 comentários:

Jrosa disse...

Grandes desenhos. O segundo está sensacional - Timor nos Açores, a lusofonia no seu melhor!

hfm disse...

Sortudo! Quanto aos desenhos... transmitem toda a ambiência. Gosto tanto!

Alexandra Baptista disse...

Ho que catita, ainda não consegui passar os meus no scanner... gosto de me ver no desenho, obrigada pelo desenho e pela formação!!

Mário Linhares disse...

Concordo: é sempre bom voltar aos Açores.
Timorenses vestidos com traje tradicional ali deve ter sido mesmo uma experiência rara. As cores estão óptimas!

matilde disse...

Giros