Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

domingo, 31 de agosto de 2014

Bonecos de Bolso em Carnide

Imagens da e na exposição:





26Jul2014 em Lisboa no espaço Stª Catarina, evento "Loja Gerador"







Tarde em Lisboa a desenhar com amigos, aqui no Largo Camões.





Num restaurante em Belém, em Julho, a televisão continua "vestida para o Natal"...





O batelão da areia na Costa de Caparica.








Café da manhã em Belém no "Vela Latina"





Á volta da praia... Costa de Caparica.





Experiências com grafite aguarelável, da "Viarco".




As rochas do costume


Estas rochas não me largam...

Quinta das Conchas

 

 

pretexto..


A Marianita tem dez anos, é minha sobrinha e está viciada no seu diário gráfico... a água fria e qualquer momento de espera serve de pretexto para o desenho...gosto de ver!!

sábado, 30 de agosto de 2014

Férias

Depois das merecidas férias só hoje consegui tempo para vos mostrar por onde andei durante uma semana. Estive em Nazaré que tem uma praia lindíssima e bons locais para visitar. 


Em cima a entrada, vista de dentro, da habitação onde fiquei. 



Depois um desenho feito na praia.


E no fim um "terror" para muitas pessoas, o ascensor da Nazaré.

Bons desenhos a todos!

AINDA NA FABRICA DAS CORES

Sob a égide de ESalavisa a última proposta do Workshop ocorrido em Sassoeiros neste mês de Agosto .
DESPROPORCIONALIDADES

NA FABRICA DAS CORES_AGO14

Entre vários objectos na oficina em Sassoeiros, estes foram os escolhidos.
UMA SERRA E UMA PLAINA PARA MADEIRA

Lia a desenhar


Mais um desenho que teve a colaboração da minha filha Lia de ano e meio. Ela estava a desenhar e depois riscou o lado direito e o topo da folha. 

fim da tarde no centro da Malveira

o centro da Malveira será sempre o largo da feira. É no largo da feira que existe o mais bonito chafariz das redondezas e a mais linda casa senhorial.
E num dia de "não feira" temos um largo inteiro para estar

A "copa" do chafariz (ainda com água)


a casa linda, que com muita pena minha está à venda (e eu não a consigo comprar), só espero que não a deitem ao chão, é linda demais e demasiado ligada à existência do largo da feira


E por fim as casinhas "modernas que rodeiam um dos lados do largo

pintado a aguarela

...na baía de Sesimbra...

...penso que estas duas rochas falam sobre o mar imenso... há tanto tempo...
A Marianita vê um filme depois do almoço....aguarda pela hora de dar um mergulho...aposto que amanhã desenha.


sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Paraty_dia 1-B e dia 2

Fecho de reportagem do dia 1:
Depois dos workshops assistimos a uma palestra da Karina Kuschnir, antropóloga de profissão, e que para além de outras coisas, nos explicou a forma como o desenho serviu de ferramenta de aprendizagem aos seus alunos de antropologia e etnografia, numa abordagem inicialmente vista com receio pelos alunos, mas com óptimos resultados.


Antes do jantar teve lugar um concerto de música brasileira, apenas instrumental, com uma banda de Paraty.



DIA 2
O dia começou para mim com o workshop da Shuita, "Never fear the people", com o objectivo de desenhar, num primeiro momento pessoas sentadas ou paradas, depois pessoas em movimento, e no final um desenho de conjunto com pessoas que dessem vida ao local onde estávamos. Pelo meio uma demonstração de cerca de meia hora em que pudemos observar todo o processo dos seus desenhos.



Da parte da tarde não houve workshops, apenas actividades várias. Escolhi a demo do Kiah Kiean, que nos falou sobre a forma como desenha com paus e bambus, molhados num frasco de tinta da china embebida em gaze, com resultados geniais. 


Depois fomos para a rua, ver uma demo em tempo real, e depois todos pudemos experimentar esta técnica.


No final da tarde assisti à palestra do Gabi Campanario, sobre "Drawing for publication", enquanto repórter do Seatlle Times.



Até amanhã.

Igreja S. Pedro - Torres Vedras



Fui buscar frangos assados para o jantar e deparei-me com esta vista ao virar a esquina... e teve de ser, enquanto a minha boleia não chegava, deu para desenhar as traseiras da Igreja Matriz (uma das...) de Torres Vedras, a Igreja de São Pedro.

http://dklimppedroalves.tumblr.com/

Óbidos



Alguns desenhos das férias

Férias é sempre sinónimo de tempo para desenhar. Enfim, às vezes têm que ser arrancados a ferros à família.
A iniciar a publicação dos desenhos de férias, começo com um fim-de-semana em Évora, a pretexto de uma patuscada (grelhada) em casa de amigos.




A seguir alguns da estadia na aldeia de Paredinhas, concelho de Resende. Primeiro uma vista da Quinta da Massorra, um propriedade debruçada sobre o Douro e exemplarmente mantida, onde fomos comprar vinho e cerejas em calda. Vale uma visita! 
(Pela primeira vez, pintei posteriormente a partir de uma foto)

E depois uma vista tirada na fantástica piscina do Parque Fluvial de Porto de Rei, um pequeno luxo com o enquadramento majestoso das encostas do Douro. Quer dizer, é mais do bar onde me sentei - da piscina, ficaram apenas umas cabecinhas à esquerda e o duche... (clicar na imagem para ver melhor...)





Lisboa em Agosto


Paraty_dia 1 (post incompleto)

Hoje foi o primeiro dia do Simpósio, com o início dos workshops às 9:30. Infelizmente o tempo esteve meio chuvoso, e mais frio que ontem, o que acabou por condicionar algumas actividades, principalmente pela manhã. Ainda não eram 9h, e já o Kiah Kien desenhava junto da casa da cultura.


Fiz o workshop da Simo Capecchi - The sketched reportage, numa destilaria fora da cidade, onde produzem cachaça artesanal, cerca de 10 mil litros por ano. A ideia era descrever em desenho o processo da produção, desde a trituração da cana do açucar, à recolha do suco (que provámos acabado de espremer), até ao processo de destilação propriamente dito. Para além do desenho devíamos complementar com texto, como um manual de instruções. No final dos desenhos provámos a cachaça, e tirámos uma foto quando regressamos a Paraty.


Da parte da tarde fiz o workshop da Stephanie Bower, 180 degrees, onde aprendemos as técnicas primárias para um desenho urbano com regras rígidas de ponto de fuga, linha do olhar, distorção, entre outras dicas muito interessantes. Pudemos ver como a Stephanie começa e termina um desenho, e isso foi incrível.


Nota: Ontem à noite fiquei sem bateria no computador e não o consegui carregar porque a tomada não funcionou com estas nossas fichas de pernos mais gordos, e não consegui terminar este post. Acabo de o escrever no lobby do hotel, pela manhã e no computador da recepção, aproveitando o rascunho que ficou guardado. Espero mais logo arranjar um adaptador de tomada para poder voltar a publicar coisas aqui.

Quinta dos Lilazes

 


Acabadinho de ser feito na Quinta dos Lilazes.
O ar de felicidade estampado no rosto...é da água... é do sol... é da família!!!

...para Paraty ,através do atlantico...

...e se em vez de vinte e tal horas de avião ,ir diretamente de barco...
...o barco é verdadeiro e está na baía de Sesimbra...