Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 31 de Janeiro de 2013

Conversas em digital

Desde há uma meia dúzia de semanas tenho andado a ilustrar as conversas na rosa e no talho, que são umas palestras muito informais que ocorrem todas as quartas-feiras. Cada conversa dura sensivelmente 30 minutos, e há três conversas por sessão, pelo que tenho conseguido em geral fazer três retratos rápidos e um ou dois desenhos intercalares (dos slides, do público, do cenário em geral...).  O ambiente é sempre escuro com uns focos fortes de luz, o que dá uns contrastes giros.

Todas as semanas tenho tentado variar um pouco os materiais. Esta semana, excepcionalmente, fui para o digital e foi esse mesmo que resolvi partilhar convosco. O "caderno" é uma tablet samsung note 10.1, a "tinta" é o sketchbook pro, e a conversa foi assim:




Para a semana teremos mais....

quarta-feira, 30 de Janeiro de 2013

Timor-Leste: caderno 4


Árvore no Infordepe, Díli, nov 2012
Cigarra (chamam-lhe cirila, c. 6,5cm comprimento), dez 2012

 
 


Estatuetas de madeira, dez 2012

Toqué (lagarto às pintas com uma cabeça grande) e pequena téki (lagartixa) fossilizada, dez 2012
Chegada ao aeroporto de Denpasar, Bali, dez 2012

Elemento arquitetónico do muro junto à praia (Kuta) e estátuas do Templo Sebatu, Bali, dez 2012

Floresta dos macacos, Bali, dez 2012

Mais macacos, Bali, dez 2012

Conchas

 
 


As Conchas foram severamente fustigadas pelo temporal de dia 19 - cairam muitas árvores, hastes de palmeiras por todo o lado, ramos enormes e mais pequenos caídos numa extensão inimaginável, arbustos completamente arrancados e, então, na parte da mata, a razia foi muito grande estando até interdita para avaliação cuidada da estabilidade dos terrenos e das árvores.

Ontem, quando lá estive, as Conchas ainda estavam muito "despenteadas" mas já começavam a ter aspecto de parque. Contudo as árvores ainda estão no chão mas já desempedindo os caminhos.

Estas duas encontravam-se junto ao lago, lado a lado, agora a que está de pé levou um grande rombo e a outra encontra-se a seus pés. Chega a ser comovedor. Felizmente, algures, num dos muitos sketchbooks, encontram-se desenhadas. Terei de as ir procurar. Servem para memória futura.

Lisboa

Miradouro Senhora do Monte

terça-feira, 29 de Janeiro de 2013

ENCONTRO 34

 
 
 
 
 
 
Apesar do mau tempo e do frio foi um belísimo encontro.


Pequeno estudo para saco das aguarelas...

Memória Megalítica

 ... pedras...na "cabeça" do MENIR... o tempo... para casar!
           - A verticalidade da História no Menir...
           - O Alqueva, a albufeira, a nova localização do CROMELEQUE...

S. Pedro do Corval

Uma manhã tranquila e luminosa na aldeia de S. Pedro do Corval.
O primeiro desenho de mais um pequeno caderno Laloran.
A Viagem a Timor contada pelo Mário no Museu das Comunicações aconteceu um dia depois do meu Pai ter regressado de lá. Os dois acontecimentos inspiraram a minha Mãe a fazer catupa, uma das deliciosas comidas timorense.


Monsaraz

4.º Simpósio Internacional dos Urban Sketchers




Novidades frescas sobre os workshops do 4.º Simpósio Internacional dos Urban Sketchers.

segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013

Moto azul do céu


Depois de ouvir as delicias e peripécias da Viagem do Mário Linhares a Timor, escolhi esta mota do Museu da Fundação Portuguesa das Comunicações para me dedicar às memórias. A mota é uma BSA dos anos 1970. Não percebi qual é o modelo e não havia mais informação, mas a cor é fantástica. O rabisco da mota levou-me a histórias de família.




Há muitos muitos anos um "sr. da mota" seguia um autocarro todos os dias. Um dia o condutor avisou: - Oh menina olhe que aquela mota a anda a seguir... Tenha cuidado! A minha avó está casada com o "sr. da mota" há quase 60 anos...


P.S. Devia ter-me dedicado às artes de bem encaixar o texto, 
mas estava com pressa não sei bem para quê...



Nazaré

Esplanada

Pedras

 
 
 


Pedras com memórias que trouxe do vulcão dos Capelinhos. Grafite.
cúcú! mais uma tentativa de "descongelar" a forma como retrato as expressões dos rostos 

domingo, 27 de Janeiro de 2013

Telefones

Workshop de desenho, no Museu das Telecomunicações.

Menir do Outeiro





Alerta vermelho em Lisboa. Rajadas de vento que derrubam árvores. O som dos Beatles nas colunas. Um dia propício a libertar-me dos primeiros traços a lápis e partir, para um qualquer desenho, de caneta preta em punho...

Viagem a Timor


Após o interessante relato da viagem a Timor seguiu-se um Workshop onde o Mário Linhares nos desafiou a compor uma página com desenho e texto, sobre um qualquer objecto duma das salas do Museu das Comunicações.



sábado, 26 de Janeiro de 2013

Timor

Com o Mário Linhares viajámos a Timor.
Um relato cativante.
(No boneco só aparecem duas pessoas mas a assistência era maior)


Palácio Nacional de Sintra


Já há muito tempo que não dava uso às minhas aguarelas. Mas Sintra dá-me sempre bons motivos para lhes voltar a pegar!

Tiago Leal
www.viagensnomeucaderno.blogspot.com

Viagem a Timor-Leste, hoje, às 14h30

 
Maubisse, 13 de Agosto de 2009 - quinta-feira
Quinta-feira é dia de Mephaquin...
Pequeno-almoço de rei, fomos de manhã até casa do tio Acássio. Estivemos com o Aurísio e conhecemos a casa dos pais da D. Joaninha. Aproveitei para desenhar um cacho de bananas. Fomos depois dar uma volta ao mercado. Estava a acontecer um jogo de volley, mas não houve tempo para vermos. Muita gente e confusão no mercado. A minha presença canaliza muito as atenções. A pele clara é algo raro por aqui!
Ao almoço comi pela primeira vez carne seca. Parece que no tempo da chuva é a única carne que se consegue comer, pois é a época da fome (ou pelo menos da menor abundância). O sabor é forte e o cheiro péssimo. No final até nem é mau de todo, mas acabei por comer apenas dois pedaços.
À tarde fomos passear (a ideia era conhecer as mais de vinte cabeças de gado do tio Tonito) e encontrámos alguns produtores locais de café. Estavam a secá-lo ao Sol. O passeio terminou com a visita a uma pousada num ponto alto de Maubisse. A construção é antiga. Não percebi se é dos portugueses, mas pareceu-me que sim. A vista é absolutamente incrível!
Jantei arroz com couve e tomei o comprimido da Mephaquin...
... agora só espero não vir a ter pesadelos...

Esta e muitas mais histórias de Timor, retiradas do meu diário gráfico, às 14h30, no Museu das Comunicações, em Santos, hoje, dia 26 de janeiro. Apareçam!

sexta-feira, 25 de Janeiro de 2013

Nazaré

Muro da Vergonha

Cais das Colunas



Fiz o esboço do Cais das Colunas (Terreiro do Paço, Lisboa) em Fevereiro de 2011 e em papel de aguarela. Nunca o terminei. Agora quase um ano depois ando a brincar com esferográfica e canetas de feltro e  impressões muito esbatidas em papel de cartolina . Na próxima versão pinto o outro lado do rio a cinzento claro e dou-lhe mais "azul do céu" e mais "azul do rio". Não sei se dê luz aos candeeiros...




Finalmente, depois de quase dois meses de ausência forçada por problemas com o bloguer, volto a publicar desenhos, neste caso o chafariz de Vila Viçosa.

Estudos de uma manga

 
 



Quando o tempo não ajuda aproveitam-se as "naturezas" caseiras para fazer experiências com novos médios e com um riscador que me fascina -  caneta de aparo.

Aliás tenho uma colecção de aparos que vem do tempo do meu pai; aqui apenas alguns dos que eu comprei especialmente numa loja de artes que faz as minhas delícias e cuja fotografia coloquei abaixo. Fica em Londres, na Great Russell Street - a rua do Museu Britânico e aconselho a visita, não por ser a melhor, mas pelo fascínio de uma loja muito antiga, o chão cede aos nossos passos e pelos armários antigos e exclusivos e ainda por uma aparente desordem no que está exposto e que apenas faz realçar os produtos. O pessoal é muito simpático e eu delicio-me a abrir e fechar gavetas, gavetões, caixas e caixinhas. O pior é que quando saio de lá, as libras que me sairam do bolso é que não foram propriamente uma delícia...

 
 

Anta do Olival da Pega



quanto mais tento simplificar uma expressão mais interresante torna-se é explora-la....

quinta-feira, 24 de Janeiro de 2013

Quantas pessoas cabem no meu caderno?

Várias pessoas ao almoço, propositadamente amontoadas.
Agrada-me muito desenhar esta aparente distorção da realidade, mas que acaba por ser precisamente o inverso: a realidade tal como eu a estava a ver.


Uns a cozinhar...



... outros a desenhar