Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

segunda-feira, 17 de Dezembro de 2012

Psicadélicos em papel colorido e caneta radioactiva




As cores do desenho da Ângela recordaram-me que há uma técnica que me anda a divertir e que ainda não partilhei: papel colorido (muito saturado!) com caneta de gel e esferográfica colorida.

Por acaso acho que o segundo desenho terá sido feito no bairro alto, por isso até está no tema corrente :) (penso que o primeiro será ou no Chiado ou numa gelataria que está junto ao largo de Camões, mas já não me recordo)

3 comentários:

António Araújo disse...

O meu scanner tem uma grande dificuldade em interpretar as cores deste material. O original tem um fundo bastante mais escuro, especialmente no primeiro caso, e as cores, por contraste, bastante mais luminosas. Quando tiver tempo acerto isto no photoshop.

António Araújo disse...

Um truque interessante é usar o branco de gel para baixar a saturação (sem perder luminosidade) das tintas (geralmente berrantes) da esferográfica. Mas só certos papéis é que permitem a mistura adequada destes dois materiais. Grande parte do trabalho que tive com o desenho do S. Jorge no outro dia decorreu de usar um papel que não permitia estas misturas (se o gel não agarra bem acaba por se esfacelar com a passagem da esferográfica)...

Maria Celeste disse...

...gosto do desenho e de aprender com as explicações...