Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 30 de Junho de 2011

Workshop Diário Gráfico / Colagens, MNAA, com Margarida Boto



Novas experiências, belos momentos ...


Antes ainda de sair, um último adeus de uma das estátuas que figuram junto da entrada principal do HSJ.

Fica um até breve, outras oportunidades se seguirão.

À minha frente...


Nas duas viagens de comboio de ontem, com destino a Lisboa e no regresso de lá, aconteceram três desenhos.
Este foi o que ficou comigo.
Os outros dois saíram do caderno. Um deles com a folha cortada apressadamente durante a pausa numa das estações do percurso e antes do comboio retomar a viagem.

Às vezes é difícil desenhar tão perto sem que se apercebam.
Mas quando se nota no olhar que gostariam de ficar com o apontamento desenhado, mesmo sem nada dizerem - ou talvez por isso - sinto que o desenho deixa de me pertencer.
Ou melhor, que é bem mais da pessoa que esteve na origem dele do que de mim.
E quando os cadernos o permitem, assim acontece.

Hoje estão algures por aí, guardados por essas pessoas que talvez nunca mais volte a ver na vida. Pode parecer estranho, mas é bom saber-los assim.
Ainda um do Hospital de S. José - O interior do Hospital onde vi estas colunas. Achei interessante desenhar

quarta-feira, 29 de Junho de 2011

Chalé na Rampa da Pena


A página inteira do caderno, aqui.

Coisas e pessoas de Lisboa

Em preparação para o Simpósio USk que se avizinha, tenho-me esforçado por disciplinar o desenho rápido e em quantidade, preenchendo qualquer espera, qualquer momento morto, com desenho, e se possível, pintura. O formato pequeno do caderno é simpático e ajuda na tarefa.

Esta é a entrada dos fundos do Instituto Superior de Agronomia, na Calçada da Tapada. Mesmo quase por baixo da ponte 25 de Abril está a paragem de autocarro que me leva até ao Alvito. São só duas paragens, mas a estrada é estreita e não tem passeios. Micro-cartazes silenciosos protestam contra essa falta, até agora, sem efeito.

No pátio do Picoas Plaza há um tanque de água por debaixo da plataforma de esplanada. O fundo é em pastilha de cores salteadas. À direita, o que começou por ser uma limpeza de pincel, acabou a tentar ser o fundo do tanque. As pessoas não estavam afim de ser desenhadas. Sítio apressado. Pouca gente ficou tempo suficiente para ser captado...


... de modo que mudei de técnica, para um desenho mais sintético.
Aqui vai um manjerico dos santos populares aqui da feira de S. João de Évora em dia de S. Pedro.


Cursos de Diários Gráficos

De 5 a 8 de Julho, no Porto (sede da APECV), uma acção de formação dirigida a professores que queiram adquirir o hábito de desenhar e que queiram que os seus alunos também o tenham.

Dia 9 de Julho, um dia no Museu Arqueológico do Carmo, Lisboa, para qualquer pessoa que tenha vontade de ter vontade de desenhar.

Até Teruel.

Beja, depois da BD umas voltas pela cidade...

...em preparação..veduta Lisboa_nossa senhora do Monte


Alcácer do Sal

terça-feira, 28 de Junho de 2011

Carraqueira.


Carrasqueira, cais palafítico... voltei á carrasqueira... fui lá duas vezes com a ideia na cabeça que não podia sair de lá sem desenhar aquele lugar sem barcos e com a estrutura de madeira. Assim foi, atirei-me ao papel... devagar fui desenhando o horizonte e depois a estrutura e depois os "tramados" dos barcos!!!assim foi... enquanto a Joana e a Miriam esperavam e apanhavam sol eu fui desenhando, e entre os raios de sol ia ficando radiante comigo... achei e acho que até nem saiu mau de todo!!! a primeira vez que desenhei barcos!!!

enfim, quem me dera saber escrever bem para descrever o contente que fiquei comigo e com o facto de ter conseguido desenhar e depois pintar!!!foi mesmo um momento espectacular, com o qual terminei em duas fazes...ambas terminei com um berro á Rafael Nadal... "VÁMOS!!!!"

XV Encontro

Lisboa, 18 de Junho de 2011. No Hospital de S. José, saindo pela porta do carro, há umas escadas com uma daquelas vistas de Lisboa. Valeu-me um caderno Laloran. Obrigado Ketta.

Mais uma




Desenhar árvores é quase um vício.

Esta, de pequeno porte, deparei-me com ela junto à saída do metro. Felizmente havia daqueles cubos em pedra onde nos podemos sentar. Ficou o registo.

Sketch - o meu diário







Como iniciante e interessada na caminhada como sketcher, venho partilhar alguns registos do meu primeiro diário gráfico.
Tenho acompanhado o site e fui aos vossos 2 últimos encontros que foram espectaculares!

Bons sketches.
Regina Rocha

Na consulta do dentista


Enquanto esperava pela consulta na sala de espera 3 senhoras conversavam. Fui desenhando com calma a contar com muito tempo de espera. Quando me preparava para a 3ª personagem fui chamado.

segunda-feira, 27 de Junho de 2011

XV Encontro - Hospital de S. José

Este encontro tinha tanto por onde escolher que o tempo foi de facto a única preciosidade escassa. Comecei por chegar atrasado e perdi a explicação inicial e as boas-vindas (só deu tempo para este pequeno esboço, feito de longe, e como o vento estava contra não consegui ouvir nada das últimas palavras)
Depois de passear escadas acima, deparei com isto:
Bons momentos passados a seguir as formas orgânicas do mobiliário da biblioteca, e as florestas curiosas formadas pelas pilhas de livros de onde cresciam misteriosas etiquetas codificadas.

A seguir, os jogos de luz sobre as estátuas da capela (o meu reino por umas aguarelas! nota mental: acho que a luz era dourada)
Tanto a dizer acerca dos azulejos! Não estive a tempo de ouvir as explicações, mas isto é um cerco, e parece-me que as tácticas são do sec XVII(?). As fortificações fazem "bicos" de forma a maximizar os ângulos de tiro contra quem se aproxime, e são inclinadas de forma a deflectir balas de canhão - o curioso "paliteiro" (parece uma caixa ambulante com gente em volta) é composto de lanceiros (invisíveis) no centro, rodeados de mosqueteiros. Os mosqueteiros disparam e depois escondem-se protegidos pelos lanceiros, que afastam a cavalaria e infantaria inimigas, enquanto os mosqueteiros recarregam (demoradamente) as suas armas.  Quando o grupo se desloca, as lanças vão erguidas no centro, os mosqueteiros por fora, dando aquele aspecto de paliteiro rodeado de gente. 
Do ponto de vista da arte o que é interessante é que o paliteiro é modelado como se fosse uma caixa sólida, completo com uma sombra lateral. O mesmo processo de abstracção pode ser visto nas nuvens de fumo dos canhões, que são modeladas como massas sólidas sombreadas, mais ou menos esféricas. É um tipo de modelação clássica, muito inteligente e funcional - "desenhar o que se vê" é complementado por "desenhar o que se compreende".  

Uma carga a uma bateria numa posição elevada. De novo as nuvens de pólvora são elementos sólidos sombreados.

Um azulejo que me fez sorrir. Um espelho foca os raios do sol numa embarcação, que irrompe em chamas. A referência deve ser o famoso espelho de Arquimedes no cerco de Siracusa...mas o navio não tem nada de galera Romana! Em vez de fileiras de remos temos velas e portas para canhões! Sem qualquer pudor o artista mistura a sua época com a antiguidade. Ou transportará o mito para os seus dias, exortando a tecnologia moderna a tornar reais os antigos mitos? Notar ainda como as próprias chamas são de novo elementos sólidos (parecem uma cabeleira espessa e desgovernada) e sombreados! Uma escolha curiosa dada a natureza do objecto! Mas funciona!...



Uma das estátuas junto à entrada (cheia de identações e texturas a contrastar com o mármore liso - podia ter passado uma hora à volta dela);
...e pronto, fim!

pessoas na praia


Ofir, Portugal, 24.06.2011
A Máquina de lavar roupa, já com uns anitos...






Uma pausa no café do hospital


domingo, 26 de Junho de 2011

É a casa que apresenta fatos sobretudos gabardinas

"Alfaiataria Modelo do Carmo - É a casa que apresenta fatos sobretudos gabardinas"

A esplanada do Adriano, na confluência da calçada do Carmo com a do Duque, tinha uns caracóis cheios de terra, e um serviço de mesa com direito a insulto, se se fosse estrangeiro. Mas está rodeada de imagens particularmente características, entre alfarrabistas, antigos sinais de alfaiatarias e montras de sex-shops.

rapariga na praia

Desenho de Sintra

Porta do Museu de Scrimshaw do Peter Café Sport



na Horta, Faial, Açores.

Quer dizer esta porta não é bem assim,
mas eu gostei de imaginar que sim =)




sábado, 25 de Junho de 2011

XV Encontro - Hospital de S. José Lisboa

Tambem eu fiquei fascinada pelo pórtico do Hospital S. José, pena não estar em lugar mais disfrutável de Lisboa. Gostei do motivo que levou à sua construção.

O 1º apontamento é um lance de escadas que nos haviam de levar à sala da "esfera", penso que foi assim que ouvi . O 2º apontamento são desenhadores anónimos ou não, do XV encontro,

XV Encontro - Hospital S José Lisboa



Como chegámos antes da hora aproveitámos para disfrutar da grandiosidade de toda a envolvente do Campo Mártires da Pátria ou Campo de Sta Ana, jardim bastante bonito com lago, pombos e outras aves. O Calor era bastante e as àrvores centenárias convidavam à contemplação. Puxámos dos blocos e fizémos uns esboços . Eu como amante incondicional da expressão humana deliciei-me com o conjunto escultórico, do lugar de culto ao Dr Sousa Martins, notável médico do Sec XlX e foi médico no Hospital de S.José.

Tomar

Como se aproxima a Festa dos Tabuleiros a cidade já se encontra com um ar muito festivo! A procissão do Dia de Corpo de Deus já não se realizava há muitos anos! 

CHALLENGE XLV_FESTAS POPULARES - São Pedro


A festa de Santo António já se acabou e a de São João pairam no ar rescaldos dos últimos foguetes. O São Pedro, porém, vai começar. Para os mais aventureiros, sugeria que atravessassem da capital, a nado, acompanhados das Tágides, enquanto os mais comedidos aproveitassem para um passeio agradável em dia soalheiro transportados comodamente num cacilheiro e viessem visitar a Trafaria. Provem as iguarias de peixes, as mariscadas, os assados na brasa e vejam à noite as luzes da cidade alfacinha como pano de fundo. Presume-se que haja arraial, quermesses e noites de fados. A organização dos eventos em Almada ponderou os respectivos festejos de S.Pedro da Trafaria de 1 a 3 de Julho.




"Campo da Restauração" é uma rua em Vila Viçosa com edifícios de um lado e árvores do outro. À medida que a tarde avança, é ver as sombras das árvores tomarem conta da rua.